Jogadores do Brancão se unem para ajudar torcedor com leucemia

Aos dois anos, o pequeno Carlos Victor é um verdadeiro guerreiro. Ele é de família capa-preta e luta contra a leucemia desde os 11 meses de vida, quando a doença foi descoberta. Agora, o guerreiro ganhou um grande reforço nessa batalha: o elenco do Rio Branco

Carlos Victor precisa de doador de medula óssea e todos os atletas do clube vão até o Centro de Hemoterapia e Hematologia do ES (Hemoes) para fazer o teste de compatibilidade. Entre eles, o atacante uruguaio Loco Abreu, que fez questão de conhecer o pequeno.

“É um menino maravilhoso, então pedimos o apoio para que todos façam o cadastro e a gente encontre esse doador. Queremos ajudá-lo para que ele tenha uma vida melhor daqui para frente”, afirmou o atacante.

Carlos Victor

Carlos Victor

Carlos Victor vem de família alvinegra e a paixão pelo clube está no próprio nome. “Carlos” vem do avô, “Carlos Lúcio”, que também é capa-preta, enquanto “Victor” é uma homenagem ao ex-goleiro do Rio Branco, Paulo Victor.

A conexão do menino com o clube capa-preta não para por aí. Carlos Victor nasceu no dia 28 de outubro de 2016, um dia antes do Brancão conquistar a Copa Espírito Santo pela primeira vez na história.

“Descobrimos a doença quando ele tinha 11 meses. Ele ficou quatro meses tratando a leucemia, mas a doença acabou voltando. E, por conta disso, ele precisa de transplante de medula”, contou Josy Reisen, mãe de Carlos Victor.

O teste de compatibilidade pode ser feito no Hemoes, de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h. Basta ir até o local e falar sobre o teste em nome de Carlos Victor Reisen Caus.

“Futebol não é um simples jogo. O Rio Branco tem uma torcida enorme, e sabemos que esse amor que as pessoas têm pelo clube pode ajudar o nosso filho”, afirmou Josy.

 

Deixe uma resposta