Edu, Guilherme e Alan Faria liberados para a partida contra o Real

Alguns dos principais jogadores do Rio Branco, o atacante Edu Capetinha, o lateral esquerdo Guilherme e o goleiro Alan Faria estão liberados para a partida contra o Real Noroeste, válida pela volta da semifinal do Capixabão 2019. Os atletas fizeram durante a semana trabalhos de recuperação física com Helder Souza, preparador físico, e Jaime Batista, fisioterapeuta.

Alan, que sentiu dores na coxa direita no aquecimento da partida de ida, não teve lesão grave e vai 100% para a partida. Sobre o goleiro, Jaime Batista falou que não passou de um incômodo. “Foi um estiramento grau 1 na parte superior do músculo posterior da coxa e ele já está apto para a partida”, disse.

 

Já Edu teve uma lesão um pouco mais grave. O Capetinha sentiu um incômodo na parte anterior da coxa esquerda, após sofrer 3 pancadas na partida contra o Serra. “A lesão piorou pelas seguidas pancadas recebidas na primeira partida das quartas de final. O Edu sentiu dores após a partida e acabou ficando fora do segundo jogo contra o Serra e na ida contra o Real Noroeste. Porém, o atacante já tem plenas condições de jogo”, afirmou o fisioterapeuta.

No caso de Guilherme, a lesão também foi causada por impacto. “O jogador do Serra caiu em cima do joelho direito dele no lance do gol, também no primeiro jogo das quartas de final, o que fez com que o Guilherme sentisse um pouco de dor na região, mas também vai para a partida com 100% de condições físicas e sem dores”, concluiu Jaime.

Outros jogadores, como o meia Canário, não tiveram lesão disgnosticada, mas sentiram o cansaço do acúmulo de jogos da primeira fase. Helder Souza, que acompanha o dia a dia de trabalho da equipe, afirmou que a sequência de partidas foi um fator preponderante para a condição física dos jogadores. “O que vem acontecendo com nossos atletas é consequência de uma fase muito disputada de classificação. Não fizemos uma rotatividade de atletas para descansar alguns jogadores pois precisávamos garantir a ida à fase de mata-mata, então eles sentiram bastante essa temporada de 9 jogos da primeira fase, somados aos 3 da segunda. A ciência nos assegura que a cada 1000 horas, de 7 a 12 atletas podem sentir alguma lesão, e a cada 7 jogos, um atleta tem o risco de sentir algo. Isso ocorre apenas por sobrecarga de trabalho e esforço repetitivo. Todos os atletas se recuperaram bem.”, afirmou Helder.

Rio Branco e Real Noroeste se enfrentam neste sábado, às 15h30, em Águia Branca, pela partida de volta das semifinais do Capixabão. O Brancão venceu a primeira partida por 4×3 e tem vantagem do empate para se classificar.

 

Deixe uma resposta